dez 03

Gestão de Configuração de Software

Vou falar nesse post sobre uma função associada ao desenvolvimento de software, que é uma função um tanto quanto burocrática, cansativa, porém simples e se desempenhada corretamente é de suma importância no processo de desenvolvimento.

A sigla GCS se refere tanto ao Gestor quanto a Gestão de configuração, no caso aqui quando falar GCS estarei falando sobre o gestor, ou seja, a pessoa que desempenha tal função.

Basicamente  o GCS é responsável por planejar junto ao líder de projeto as configurações necessárias de hardware e software do sistema a ser desenvolvido, por criar e manter o repositório de itens de configuração (IC = item de configuração =  “Cada um dos elementos de informação que são criados durante o desenvolvimento de um produto de software, ou que para este desenvolvimento sejam necessários, que são identificados de maneira única e cuja evolução é passível de rastreamento” (Pressman em [PRE 92]) , gerar as linhas base a cada etapa do processo de desenvolvimento.

Essas funções são importantes para a organização do processo, através dos planos de configuração, e possibilita um controle de concorrência, onde todos os desenvolvedores envolvidos podem alterar um mesmo item de configuração, sem um sobrescrever a alteração do outro; controle de versões,  e controle de  distribuições, fazendo com que caso uma linha de desenvolvimento a partir de uma versão resulte em algum problema, seja possível recuperar a versão anterior sem muito esforço, apenas recuperando a linha base correspondente.

Esse foi um overview básico, apenas para desmistificar essa sigla que soa um pouco pomposa, mas são apenas tarefas simples para dar apoio ao desenvolvimento de sistemas.



dez 01

Um bom exemplo

Papai açougueiro, filho de férias em casa, e papai tem que levá-lo para o trabalho. Até que um certo momento:

– Pai, eu quero cortar carne que nem você.

– Nada disso meu filho, você tem é que estudar.

– Mas eu não quero estudar papai, eu quero é cortar carne que nem o senhor.

– Mas o papai corta carne porque ele é burro, você vai estudar e vai  ser inteligente.

Alguns segundos depois

– Então eu quero ser burro para poder cortar carne!

Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência!

dez 01

Planejamento financeiro – Metas

Neste post vou falar do essencial em qualquer estratégia de investimentos, o que não só vai definir o que você quer, como também pode definir as maneiras de se investir: as metas.

Uma viagem, aposentadoria, comprar um apartamento, um carro, tudo isso são metas e devem ser consideradas na hora de investir, para que você consiga se manter focado e não retirar o dinheiro do investimento apenas para gastá-lo.

Sempre é bom ter metas de curto, médio e longo prazo, como por ex. respectivamente: uma viagem de fim de ano com a família, a compra da casa própria e viver na praia pro resto da vida tomando aquele choppinho gelado de pernas pro ar. Assim podemos definir as estratégias adequadas de investimento:

  • Curto prazo

Procurar investimentos que o imposto de renda incidente seja o menor possível, as taxas de corretagem, administração, etc. também sejam as menores, já que você não irá manter muito tempo esse dinheiro investido. Possibilidades: Ações, que até 20000 reais de lucro na operação não se paga imposto, e também normalmente paga-se um valor fixo por operação quando operado por homebroker , fundos de ações, que o IR é sempre de 15% independente do tempo, porém esses são investimentos de risco, caso não queira risco e se contente com rendimentos baixos, sempre há a caderneta de poupança.

  • Médio prazo

Investimentos em renda fixa(CDB, tesouro direto, debentures), como é aplicada a tabela de IR regressiva, a partir de 2 anos a taxa do imposto de renda que incide é de 15 %, sendo assim uma boa opção, ações e fundos de ação também o são.

  • Longo prazo

Investimentos em previdência privada (PGBL ou VGBL) são uma boa opção, além é claro das ações, como muitos especialistas dizem, no longo prazo ações são um bom negócio, pois entre altas e baixas, é possível se obter um rendimento médio líquido de 15% aa.

Há outros tipos de investimento que também se aplicam a cada tipo de meta, porém o que venho frisar nesse post é a importância de se criá-las, pois assim nos disciplinamos a investir conscientemente e objetivamente.  Pois como dizia Gandhi:

Quem sabe concentrar-se numa coisa e insistir nela como único objetivo, obtém, ao fim e ao cabo, a capacidade de fazer qualquer coisa.