nov 09

Viagem Buenos Aires (parte 2)

Dando continuidade ao último post, lá em Buenos Aires tem muitos museus, fui em 2  e sinceramente não recomendo fui ao museu nacional de belas artes e basicamente só se veem quadros e esculturas e ao malba – museu de arte latinoamerico de buenos aires-, me chamem de sem-cultura mas não é o meu programa favorito, portanto não recomendo.

O que recomendo fazer em buenos aires é caminhar bastante, lá caminhávamos o dia todo praticamente, as ruas são bem tranquilas e os lugares são relativamente próximos.

Caminhe em buenos aires e descubra belas praças

Caminhe em buenos aires e descubra belas praças

Outro lugar que fui e que é um ponto turístico de lá é a calle florida, basicamente é uma rua de comércio principalmente de couro, mas em questão de preços não achei nada muito barato não ( não entendo de couro então nem me pergunte) .

Calle Florida

Calle Florida

Um lugar interessante para se visitar é o shopping Galerias Pacífico, não para comprar mas sim pois é um lugar bem bonito, as lojas são lojas caras.

 

Galerias Pacífico

Galerias Pacífico

Neste dia almoçamos no restaurante Palacio de las Papas Fritas, aqui no Brasil todos nos recomendávamos este restaurante para comer as papas souffles, que nada mais são do que batatas fritas infladas com gosto de gordura reusada, ou seja, lugar dispensável, comida nada de mais, bem fraquinho o lugar.

Ao terminar de andar pela Florida você acaba chegando a plaza de Mayo onde fica a casa Rosada, é um lugar para você chegar, tirar umas fotos e só, quando voltei falaram que podia visitar, mas não fiz questão.

Plaza de Mayo e Casa Rosada ao fundo

Plaza de Mayo e Casa Rosada ao fundo

Para jantar fomos a um restaurante indiano Tandoor, não é muito baratinho não, mas diria que sai o valor de um jantar aqui no Rio, porém come-se e bebe-se muito bem. Recomendo, este restaurante fica na recoleta, o atendimento é excelente e a comida muito gostosa, só uma coisa, os pratos são individuais mas pelas fotos abaixo você pode ver que serve  mais que uma pessoa facilmente. E não posso esquecer do vinho, muito bom um vinho branco Mantra da Patagônia. Apenas um cuidado a ser tomado, o que eles disseram que é picante é de cuspir fogo, portanto se não gosta de pimenta cuidado com os molhos. Peça de entrada um Naan, é um pão típico indiano, parecido com um pão árabe com molhos típicos.

Pratos de cordeiro no Tandoor

Pratos de cordeiro no Tandoor

Vinho no Tandoor

Vinho no Tandoor

Em nosso último dia, visitamos Puerto Madero, fomos de manhã, é um lugar bonito, mas não tem muita coisa não, tem muitos restaurantes e bares, portanto recomendo ir a noite, e não de manhã como fiz. Os restaurantes de lá são muito bons e tem de tudo que é preço e tipo, eu fui no La Parolaccia, é um restaurante barato e com comida excelente.

Ponte de la mujer

Ponte de la mujer

Puerto Madero

Puerto Madero

Esse foi meu último dia de turismo lá, e a noite fomos a confitería ideal para termos aula de tango, é bem interessante para quem gosta de dançar, a aula custa 35 pesos uma hora de duração. Após a aula tem a milonga, também 35 pesos, que é um baile de tango, onde há muitos estrangeiros , e eles dançam tango!

Basicamente é isso, não fui ao caminito, mas não fiz questão também, nem a la bombonera.

Outras dicas que tenho a dar são as seguintes, se quiser comprar algo no freeshop da Argentina compre, não deixar pra comprar no daqui do Brasil que é mais caro ou o mesmo preço.

Quanto a dinheiro, levamos o visa travel money carregado com pesos, o mínimo são 400 pesos, é legal de se usar, pois funciona como cartão pré-pago e você não paga imposto. Você pode sacar dinheiro lá, no meu caso levei o mastercard de débito e em qualquer banco eu conseguia sacar, porém pagava uma taxa de 18 pesos para o banco de lá, 12 reais para o Banco do Brasil, e um iof de 0,35%, ou algo assim, portanto não vale a pena sacar, só se você realmente precisar! Para sacar lá, basta habilitar o uso  do cartão no exterior.  Outro detalhe: leve reais, lá a cotação das lojas que aceitam real é melhor que a cotação do real em agências de câmbio, dólar então melhor ainda! Toda compra que você faz com qualquer cartão que seja, crédito ou travel money (Débito não funciona, se te disserem que passaram débito é mentira, foi crédito), você precisa apresentar identidade ou passaporte (cópias servem) e assinar. Levar pesos também é bom, pois taxi lá é muito barato e comodo, tem aos montes, e são baratos, porém só aceitam pesos. Alguns lugares tem o chamado Tax Free, peça se vir o adesivo na porta da loja ou algo que indique que tem, nem sempre eles te oferecem de livre e espontânea vontade, não é muta coisa, mas dá pra pagar o almoço no aeroporto que não é muito baratinho não. Eu consegui Tax free na loja da Havanna, uma de cosméticos que minha namorada foi e ela conseguiu num stand de bijouterias.

Quanto aos taxis, não tive problema algum, nada de notas falsas nem troco errado, mas uma coisa que eu fiz sempre foi falar o valor que eu estava entregando-os, fica a dica.

No próximo post fecharei essa linha falando de alfajores e uns cafés que fui e recomendo!

 

 

nov 04

Viagem Buenos Aires (parte 1)

Tem pouco tempo que voltei de férias( 2 semanas só, mas já foram suficientes), fui para buenos aires no início de outubro e vou postar aqui alguns lugares que recomendo ir para quem for lá.

Primeiramente, se prepare para andar bastante, pois como lá é uma cidade em que a comida faz parte do turismo, é bom andar bastante para desgastar.

Eu fiquei na Recoleta, é um bairro que fica a uns 5 min de táxi do centro, recomendo (+1), pois é bem tranquilo, meu hotel era um studio o Le Batiment, reservei pelo booking, e foi tudo muito bom, o quarto era grande, com cozinha e no booking dizia que precisaria pagar pelo serviço de quarto, porém bastava pedir para limparem o quarto que eles o faziam sem custos adicionais. Neste studio não tinha café da manhã incluso, era 5 dólares por pessoa, mas como tinha cozinha era mais prático comprar pão, frios e bebidas que valia mais a pena ( Os frios de lá são muito bons e baratos, vale muito a pena ir aos mercadinhos e conferir).  Outra vantagem deste hotel era que a recepção ficava aberta 24h, assim podíamos sair e chegar a hora que quisessemos.

No primeiro dia tomamos café na rua, num tal de café martinez, tomamos café com leite com 3 media lunas – são croissants doces, muito gostosos – porém o café com leite deste lugar era horrível, e por 19 pesos, definitivamente não valia a pena, é m lugar a se dispensar.

Café martinez - café com leite e media lunas

Café martinez - café com leite e media lunas

 

Fomos também ao Recoleta Mall ( tudo muito caro, não vale a pena comprar coisas lá que você pode comprar aqui, pois lá é mais caro), pelas ruas tinham várias placas como esta abaixo que não resisti e tive que tirar foto, e em seguida fomos ao cemitério( meio morbido, mas acreditem é um local turístico), todos comentam do túmulo da evita peron, mas não tem nada de mais, há outros mais bonitos.

Propagando do recoleta mall

Propagando do recoleta mall

Outro lugar legal de ir é a floralis genérica, é um parque ( a propósito, lá tem muitos parques, praticamente um por esquina) com uma flor de metal que se abre de manhã e fecha à noite.

 

Placa da praça das nações unidas com a flor de metal

Placa da praça das nações unidas com a flor de metal

 

 

Floralis Genérica

Floralis Genérica

 

E não podia faltar falar do almoço deste dia, muito interessante lá o seguinte, tem o cardápio normal, e tem o almoço executivo que é entrada prato principal, sobremesa e às vezes bebida incluída por um preço fixo, variava entre 45 e 55 pesos, a não ser que o restaurante fosse muito careiro que aí saia bem mais caro que isso. Fomos ao clarks, na recoleta, em frente ao cemitério, bem legalzinho o lugar, comi de entrada empanada de carne( Uma diliça) e de prato principal bife de chorizo com batatas fritas( aliás, em todos os lugares tem batata frita nos pratos principais) – recomendo, muito bom o bife e a empanada!

 

Bife de chorizo!

Bife de chorizo!

Vimos também tango na praça, isso por lá é muito comum, eles colocam um tapume no chão, um rádio tocando tango e dançam, aqui temos tocadores de flauta peruanos pelas pracinhas, lá eles tem apresentações de tango!

A noite fomos ao famoso Señor Tango, mutio recomendado por brasileiros, é um lugar muito legal, mas muito caro também, para ver só o show foram 210 pesos por pessoa, se quisessemos show mais jantar eram 600 pesos, por pessoa!  É bem legal, mas chega uma parte do show que é muito monótono, pois o cantor começa a contar piadas em espanhol ( é um bom horário para dar uma cochilada) . O lugar fica em barracas, é bem distante do centro, e nosso táxi do hotel na recoleta até lá foi que foi o mais caro da viagem ( pasmem agora), custou 40 pesos, para uma viagem de uns 25 min! Se for ao senõr tango, vá disposto a gastar, pois lá tudo é muito caro ( Se comparado ao Brasil, são os preços normais de restaurantes aqui, mas a nível de preços de comida na Argentina é caro) .

 

Señor Tango

Señor Tango

 

Isso tudo foi no sábado, no domingo fomos logo cedo a feira de San Telmo – só quinquilharias, lugar muito sem graça para ir de dia- , onde a única coisa que valeu a pena foi o show de tango ao ar livre no meio da rua. Quando saímos de lá o taxista disse que o bom mesmo é ir mais para a tardinha que não tem mais a feira, e só tem shows nas ruas (fica a dica).

Tango ao vivo em san telmo

Tango ao vivo em san telmo

Dali fomos para Palermo, pegamos um taxista guia turistico, que foi nos mostrando os locais turísticos por onde passávamos, nos mostrou até a humilde casa de Maradona. Fomos ao Jardim Japonês, lugar muito bonito, que recomendo a visita, é 8 pesos a entrada.

 

Casita de Dieguito

Casita de Dieguito

 

Jardim Japonês

Jardim Japonês

Vou encerrando este post por aqui, pois está ficando cansativo, tanto pra ler quanto pra escrever, no próximo eu continuo, mostrando mais lugares para se ir ou não ir em Buenos Aires.

nov 03

Linked Data é o futuro?

Você deve estar se perguntando o que diabos é linked data, primeiramente tentarei explicar resumidamente e claramente(se é que isso é possível) e depois deixarei a questão por aberto, pois não tenho opinião formada ainda.
Tudo começou quando Tim Berners-Lee resolveu dizer que criar a web não era mais o suficiente para ele, e ele precisava inventar algo novo. Com isso foram criadas melhores práticas de como se publicar recursos na Web de maneira que estes recursos pudessem ser acessados de maneira simples através de uma URL, que sejam publicados em formatos padrão, como RDF, e que possua links para outros recursos, para que novas descobertas sejam possíveis.

Por exemplo, imagine que eu tenha um banco de dados sobre animais e quero publicá-lo como linked data. Primeiramente: como identificar meus recursos? Talvez cada animal seja um recurso, por que não. Preciso então que esses recursos possuam uma URI única que possa ser acessada como uma URL, assim um cachorro teria como uma provável URL: meudominio/animais/cachorro . Além disso este recurso possui propriedades e estas possuem seus valores, sejam esses links para outros recursos ou um número, nome, etc. Com isso um exemplo das propriedades e respectivos valores do cachorro seriam :

  • Raça – Labrador
  • Classe – mamífero
  • Quantidade de patas – 4

Você pode atribuir aí outras n propriedades, mas acho que deu para entender mais ou menos até agora. Agora vamos ver o seguinte, a classe  mamífero pode ser um recurso que em alguém publicou como linked data, que tal então eu agregar mais informações a minha base colocando como valor da minha propriedade um link para esse recurso, assim temos:

  • Classe – www.classesdeanimaisficticia.com/classes/mamiferos

Assim a pessoa pode ir navegando e descobrindo mais e mais informações.

Não para por aí, vejamos, eu tenho minha base de animais, e lá no Usbequistão um cientista também tem a base de animais dele e vai publicá-la como linked data, e classe para ele é uma propriedade com um nome diferente do meu. O que isso quer dizer? Digamos que eu tenho uma pequena base, e que ele tenha algo a mais que complemente a minha, porém ao termos propriedades que significam a mesma coisa, mas que possuem uma nomenclatura distinta, não conseguimos de forma fácil integrá-las. Como resolver isso então?? Para isso existem diversas iniciativas de criação de vocabulários padronizados, como por exemplo o FOAF, VCARD, etc. No FOAF (Friend Of A Friend) temos um vocabulário para descrever pessoas, e no Vcard temos um para cartão de visitas, assim quem utilizar esses vocabulários padrão serão compreendidos mais facilmente.

Outro ponto que não comentei ainda é o seguinte, ao utilizar RDF, linked data permite que seus dados sejam acessados por máquinas uma vez que possuem metadados que permitem que se dê semântica aos dados contidos num documento RDF. Daí a importância de se utilizar vocabulários padronizados.

Hoje em dia quem está utilizando linked data são os governos com interesse em disponibilizar seus dados como LOD – Linked Open Data, ou seja abrem seus dados em formato de linked data. E um grande fomentador disso tudo é a dbpedia, que transforma o conteúdo da wikipedia em linked data, lá também tem ligações com outras fontes de linked data.

Essa é uma área relativamente nova na computação, com isso muito do que se tem hoje é resultado de pesquisas acadêmicas.  Porém será que é de interesse de empresas e outros órgãos privados disponibilizar seus dados na web de forma fácil de ser acessada? Será que o mercado está disposto a publicar seus dados nesse formato? Será que a web semântica nesse formato vai vingar? Muitos acreditam que sim, e que já é uma realidade, mas sua aceitação fora meio governamental e acadêmico é alta?

Essas questões eu ainda não sei responder, quem quiser comentar algo sobre o assunto fique a vontade.

Para mais informações sobre o assunto acessem o site do projeto e lá possui artigos, explicações, ferramentas , datasets ( são as bases publicadas como linked data), etc.