Linked Data é o futuro?

Você deve estar se perguntando o que diabos é linked data, primeiramente tentarei explicar resumidamente e claramente(se é que isso é possível) e depois deixarei a questão por aberto, pois não tenho opinião formada ainda.
Tudo começou quando Tim Berners-Lee resolveu dizer que criar a web não era mais o suficiente para ele, e ele precisava inventar algo novo. Com isso foram criadas melhores práticas de como se publicar recursos na Web de maneira que estes recursos pudessem ser acessados de maneira simples através de uma URL, que sejam publicados em formatos padrão, como RDF, e que possua links para outros recursos, para que novas descobertas sejam possíveis.

Por exemplo, imagine que eu tenha um banco de dados sobre animais e quero publicá-lo como linked data. Primeiramente: como identificar meus recursos? Talvez cada animal seja um recurso, por que não. Preciso então que esses recursos possuam uma URI única que possa ser acessada como uma URL, assim um cachorro teria como uma provável URL: meudominio/animais/cachorro . Além disso este recurso possui propriedades e estas possuem seus valores, sejam esses links para outros recursos ou um número, nome, etc. Com isso um exemplo das propriedades e respectivos valores do cachorro seriam :

  • Raça – Labrador
  • Classe – mamífero
  • Quantidade de patas – 4

Você pode atribuir aí outras n propriedades, mas acho que deu para entender mais ou menos até agora. Agora vamos ver o seguinte, a classe  mamífero pode ser um recurso que em alguém publicou como linked data, que tal então eu agregar mais informações a minha base colocando como valor da minha propriedade um link para esse recurso, assim temos:

  • Classe – www.classesdeanimaisficticia.com/classes/mamiferos

Assim a pessoa pode ir navegando e descobrindo mais e mais informações.

Não para por aí, vejamos, eu tenho minha base de animais, e lá no Usbequistão um cientista também tem a base de animais dele e vai publicá-la como linked data, e classe para ele é uma propriedade com um nome diferente do meu. O que isso quer dizer? Digamos que eu tenho uma pequena base, e que ele tenha algo a mais que complemente a minha, porém ao termos propriedades que significam a mesma coisa, mas que possuem uma nomenclatura distinta, não conseguimos de forma fácil integrá-las. Como resolver isso então?? Para isso existem diversas iniciativas de criação de vocabulários padronizados, como por exemplo o FOAF, VCARD, etc. No FOAF (Friend Of A Friend) temos um vocabulário para descrever pessoas, e no Vcard temos um para cartão de visitas, assim quem utilizar esses vocabulários padrão serão compreendidos mais facilmente.

Outro ponto que não comentei ainda é o seguinte, ao utilizar RDF, linked data permite que seus dados sejam acessados por máquinas uma vez que possuem metadados que permitem que se dê semântica aos dados contidos num documento RDF. Daí a importância de se utilizar vocabulários padronizados.

Hoje em dia quem está utilizando linked data são os governos com interesse em disponibilizar seus dados como LOD – Linked Open Data, ou seja abrem seus dados em formato de linked data. E um grande fomentador disso tudo é a dbpedia, que transforma o conteúdo da wikipedia em linked data, lá também tem ligações com outras fontes de linked data.

Essa é uma área relativamente nova na computação, com isso muito do que se tem hoje é resultado de pesquisas acadêmicas.  Porém será que é de interesse de empresas e outros órgãos privados disponibilizar seus dados na web de forma fácil de ser acessada? Será que o mercado está disposto a publicar seus dados nesse formato? Será que a web semântica nesse formato vai vingar? Muitos acreditam que sim, e que já é uma realidade, mas sua aceitação fora meio governamental e acadêmico é alta?

Essas questões eu ainda não sei responder, quem quiser comentar algo sobre o assunto fique a vontade.

Para mais informações sobre o assunto acessem o site do projeto e lá possui artigos, explicações, ferramentas , datasets ( são as bases publicadas como linked data), etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *