mar 11

Engatinhando com Android

Comecei agora a estudar para desenvolver minha dissertação de mestrado utilizando Android. A medida que for descobrindo coisas interessantes vou postando aqui, tanto para minha base de conhecimento como para informar a vocês.

Primeiramente, para você começar com Android é preciso saber JAVA, pois a programação dos aplicativos é nessa linguagem.

Segundo você precisa de um ambiente para desenvolver os aplicativos, eu andei pesquisando e a princípio tenho 2 opções:

1) Baixar eclipse + android SDK + plugin ADT

2) Baixar MOTODEV + android SDK

Vantagens e desvantagens:

O MOTODEV nada mais é do que um eclipse + plugin ADT , porém vem com mais opções, como por exemplo uma gui para o desenvolvimento dos layouts XML, os quais definem as interfaces. Fazendo um paralelo com SWING é como se fosse um jigloo ou VEP da vida. Além de outras coisas mais que ainda não tive tempo de fuçar. Devido a essa facilidade eu estou preferindo até o momento utilizar o MOTODEV (Uma observação a atentar, só porque é da motorola não significa que seus apps só rodarão em aparelhos motorola). Para baixá-lo basta se cadastrar no site, é gratuito.

Basicamente aplicativos do android são baseados em atividades (Activities) que é “um componente da aplicação que provê uma tela na qual os usuários podem interagir com intuito de fazer algo, tal como discar, tirar uma foto, mandar um email, ou visualizar um mapa.”( Android Dev Guide). Um aplicativo normalmente é composto de diversas atividades, pois cada atividade corresponde a uma tela da aplicação. Essas atividades são ligadas para se navegar pela aplicação, cada vez que uma nova atividade é aberta a anterior é fechada, mas é mantida empilhada conservando seu último estado. No link do Dev guide é melhor detalhado o que é, como funciona, o ciclo de vida de uma atividade, etc.

Isso é um resumo básico, a partir de agora começarei a postar coisas mais práticas, mais implementações, e sempre que possível colocarei as definições ou teorias, ou então o link para tais.

fev 14

Por que não usar richfaces

Em um outro post meu eu vim explicar como fazer funcionar richfaces 4 com jsf2, mas simplesmente não funciona. Na verdade eu estou exagerando, funcionar funciona, porém faltam muitos componentes que quem está acostumado a utilizar a versão 3.X do richfaces sente uma falta muito grande, quem usa primefaces então, esse chora de doer.
Tudo bem que ainda não é a release final do richfaces 4, mas sinceramente está muito capenga ainda. Componentes básicos como ordenar uma tabela, filtrar, sem contar os a4j:commandButton que são um parto para funcionar, eu mesmo desisti de os usar.
No final das contas migrei tudo para primefaces, agora com a versão 2.2 estável, não tem comparação, simplesmente é o melhor framework existente para jsf2.

jan 19

Utilizando Quartz para agendamento de tarefas

O Quartz é um serviço de agendamento de tarefas com diversas funcionalidades, como agendamento por período, com data marcada, etc.

Ele é livre para utilização e está sob a licença Apache 2.0. Agora neste post vou dar uma breve noção de como se agendar uma tarefa para ser executada em uma data específica.

Primeiramente criaremos a classe Tarefa.java que irá implementar a interface Job da biblioteca Quartz como no exemplo abaixo, e no método execute você desempenha a tarefa desejada.

public class Tarefa implements Job{

    @Override
    public void execute(JobExecutionContext context) throws JobExecutionException {

        System.out.println("Trabalhando");
        //Resto das atividades

    }

}

Para se chamar essa tarefa, em algum lugar da sua aplicação é necessário agendar sua execução da seguinte maneira:

SchedulerFactory sf = new StdSchedulerFactory();
Scheduler sched = sf.getScheduler();

JobDetail job = new JobDetail("Nome do Job que voce quiser",Tarefa.class);

java.util.Calendar cal = new java.util.GregorianCalendar(2011, Calendar.MARCH, 17);
  cal.set(cal.HOUR, 10);
  cal.set(cal.MINUTE, 30);
  cal.set(cal.SECOND, 0);
  cal.set(cal.MILLISECOND, 0);

Date dtInicio = cal.getTime();

SimpleTrigger disparo = new SimpleTrigger("Disparo da tarefa",dtInicio);
sched.scheduleJob(job, disparo);

Pronto, agora sua tarefa será executada no dia 17 de março de 2011 às 10:30, mas é óbvio que para isso sua aplicação precisará estar rodando até lá!

jan 18

Richfaces 4 com jsf 2 e tomcat 6

Lá vou eu me aventurar a utilizar o richfaces 4, que ainda está em versão de milestone 5. Mas vamo que vamo para ver o que ele tem de melhor ou pior que o primefaces.
Primeiro problema dele é a documentação falha, pois a última versão do richfaces vem com mais jars do que a documentação diz que precisa, e além disso são necessários outros 3 jars para conseguir rodar.

Assim é necessário baixar o richfaces e também os seguintes jars cssparser-0.9.5.jar, guava-r07.jar and sac1-3.jar e adicioná-los ao seu classpath para só então conseguir rodar sua aplicação jsf 2 com richfaces. A é claro que são necessárias também as bibliotecas do jsf 2 né.

Assim que tiver novidades postarei aqui, mas só para fazer rodar já me levou um tempinho, portanto fica aí a dica.

jan 11

Utilizando igoogle para acompanhar cotações

Primeiramente, ótimo ano novo a todos, segundo, a falta de ideias me deixou afastado porum bom tempo, e pra não deixar isso aqui as moscas resolvi compartilhar um pouco sobre uma ferramenta que utilizo para acompanhar a cotação das ações que me interessam.

Como a maioria das pessoas possuem conta no google, vai ser fácil e simples de aproveitar essa dica, basta acessar o igoogle e adicionar o gadget  cotações, índices e câmbio, este gadget utiliza como fonte de dados o site yahoo finanças, e mostra alguns detalhes sobre o papel visualizado e também gráficos intraday, semanal, trimestral e anual. As cotações são atualizadas senão em tempo real, pelo menos constantemente.

Segue aí a dica, eu acho bem interessante pois é uma ferramenta limpa e simples de se utilizar, e útil para acompanhar suas ações.

dez 03

Gestão de Configuração de Software

Vou falar nesse post sobre uma função associada ao desenvolvimento de software, que é uma função um tanto quanto burocrática, cansativa, porém simples e se desempenhada corretamente é de suma importância no processo de desenvolvimento.

A sigla GCS se refere tanto ao Gestor quanto a Gestão de configuração, no caso aqui quando falar GCS estarei falando sobre o gestor, ou seja, a pessoa que desempenha tal função.

Basicamente  o GCS é responsável por planejar junto ao líder de projeto as configurações necessárias de hardware e software do sistema a ser desenvolvido, por criar e manter o repositório de itens de configuração (IC = item de configuração =  “Cada um dos elementos de informação que são criados durante o desenvolvimento de um produto de software, ou que para este desenvolvimento sejam necessários, que são identificados de maneira única e cuja evolução é passível de rastreamento” (Pressman em [PRE 92]) , gerar as linhas base a cada etapa do processo de desenvolvimento.

Essas funções são importantes para a organização do processo, através dos planos de configuração, e possibilita um controle de concorrência, onde todos os desenvolvedores envolvidos podem alterar um mesmo item de configuração, sem um sobrescrever a alteração do outro; controle de versões,  e controle de  distribuições, fazendo com que caso uma linha de desenvolvimento a partir de uma versão resulte em algum problema, seja possível recuperar a versão anterior sem muito esforço, apenas recuperando a linha base correspondente.

Esse foi um overview básico, apenas para desmistificar essa sigla que soa um pouco pomposa, mas são apenas tarefas simples para dar apoio ao desenvolvimento de sistemas.



dez 01

Um bom exemplo

Papai açougueiro, filho de férias em casa, e papai tem que levá-lo para o trabalho. Até que um certo momento:

– Pai, eu quero cortar carne que nem você.

– Nada disso meu filho, você tem é que estudar.

– Mas eu não quero estudar papai, eu quero é cortar carne que nem o senhor.

– Mas o papai corta carne porque ele é burro, você vai estudar e vai  ser inteligente.

Alguns segundos depois

– Então eu quero ser burro para poder cortar carne!

Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência!

dez 01

Planejamento financeiro – Metas

Neste post vou falar do essencial em qualquer estratégia de investimentos, o que não só vai definir o que você quer, como também pode definir as maneiras de se investir: as metas.

Uma viagem, aposentadoria, comprar um apartamento, um carro, tudo isso são metas e devem ser consideradas na hora de investir, para que você consiga se manter focado e não retirar o dinheiro do investimento apenas para gastá-lo.

Sempre é bom ter metas de curto, médio e longo prazo, como por ex. respectivamente: uma viagem de fim de ano com a família, a compra da casa própria e viver na praia pro resto da vida tomando aquele choppinho gelado de pernas pro ar. Assim podemos definir as estratégias adequadas de investimento:

  • Curto prazo

Procurar investimentos que o imposto de renda incidente seja o menor possível, as taxas de corretagem, administração, etc. também sejam as menores, já que você não irá manter muito tempo esse dinheiro investido. Possibilidades: Ações, que até 20000 reais de lucro na operação não se paga imposto, e também normalmente paga-se um valor fixo por operação quando operado por homebroker , fundos de ações, que o IR é sempre de 15% independente do tempo, porém esses são investimentos de risco, caso não queira risco e se contente com rendimentos baixos, sempre há a caderneta de poupança.

  • Médio prazo

Investimentos em renda fixa(CDB, tesouro direto, debentures), como é aplicada a tabela de IR regressiva, a partir de 2 anos a taxa do imposto de renda que incide é de 15 %, sendo assim uma boa opção, ações e fundos de ação também o são.

  • Longo prazo

Investimentos em previdência privada (PGBL ou VGBL) são uma boa opção, além é claro das ações, como muitos especialistas dizem, no longo prazo ações são um bom negócio, pois entre altas e baixas, é possível se obter um rendimento médio líquido de 15% aa.

Há outros tipos de investimento que também se aplicam a cada tipo de meta, porém o que venho frisar nesse post é a importância de se criá-las, pois assim nos disciplinamos a investir conscientemente e objetivamente.  Pois como dizia Gandhi:

Quem sabe concentrar-se numa coisa e insistir nela como único objetivo, obtém, ao fim e ao cabo, a capacidade de fazer qualquer coisa.

nov 29

Como iniciar um planejamento financeiro

Vou começar esclarecendo que nada daqui é a pura verdade, não quero impor nada, apenas tentar ajudar pessoas que convivem com muito mês para pouco salário. Não são dicas originais minhas, apenas uma breve compilação de artigos ou livros que li sobre o assunto e de práticas que realizo que me permitem falar um pouquinho sobre o assunto.

O primeiro passo é saber os seus gastos fixos mensais, por exemplo contas de luz, telefone, cartão, cursos, faculdade, ônibus, gasolina, etc. Mesmo que varie um pouco de mês para mês, é possível se ter uma noção de um valor médio a ser gasto. Anote tudo em uma planilha eletrônica, ou caso você prefira, em um papelzinho mesmo. Um parêntese: recomendo utilizar as planilhas, pois você poupa tempo com o cálculo dos totais, a organização fica melhor, você consegue organizar todos os meses do ano em uma mesma folha. Atente sempre ao cartão de crédito, sempre saiba o quanto você tem que pagar, pelo menos nas próximas 2 faturas.

Segundo passo, despesas variáveis: não deixe o que sobrar para gastar, separe um valor fixo para suas possíveis despesas do mês como saídas, compras, jantares românticos extensíveis até o almoço do dia seguinte, etc. Essa parte é um pouco mais complicada porém é necessária para que você deixe de ser um consumidor compulsivo e passe a ser um consumidor consciente e controlado.

Terceiro,  “Você é rico pelo que você poupa, não pelo que você ganha!”, esta frase eu ouvi de uma professora de educação financeira, em algum jornal da TV que não lembro qual agora. Logo, você deve também adicionar na sua planilha de controle de gastos seus investimentos, alguns dizem que no mínimo você deve investir 10% do que você ganha, eu recomendo 20% no mínimo, porém não é regra, nem sempre é possível fixar tal valor, porém todos devem investir algo todo mês, pois só criando esse hábito e considerando como despesa fixa, você conseguirá a disciplina necessária para sempre poupar mais e mais.

Crie uma linha totalizando os gastos e agora que você já tem todos os gastos listados e seu total acrescente o quanto você ganha em algum lugar da planilha, para que assim possa calcular  o quanto lhe sobra no mês. Outra dica, sempre que sobrar dinheiro ao fim do mês, invista-o, poupe-o.

Essas são dicas básicas, podem parecer óbvias, mas se seguidas lhe ajudaram bastante em controlar despesas e conseguir desfrutar melhor do seu rico dinheirinho.

nov 23

Investindo em fundos de ações

Não sou nenhum expert no assunto, apenas um mero aventureiro diria eu, mas alguns pontos que levo em consideração para escolher um fundo na hora de investir vou atentar aqui.

Primeiramente fundos de ações aplicam a maior parte do capital em ações (dã) , porém pode aplicar também em renda fixa, como tesouro, CDBs, etc. Isso depende muito de como está o mercado. Logo, é um fundo de risco alto, mas para quem quer se “aventurar” em ações e não tem tempo para acompanhar segundo a segundo a movimentação da bolsa, pode ser uma boa pedida. Os rendimentos são diários.

Para entrar num fundo você só precisa ter conta em algum banco que disponibilize tal serviço ou contratar alguma corretora.

Uma vantagem dos fundos, é que o IR é sempre de 15% em cima dos rendimentos, ou seja, pode ser uma boa alternativa no curto prazo.

Ao escolher um fundo atente aos seguintes quesitos que podem influenciar muito na sua rentabilidade

  1. Taxa de administração, que normalmente é anual: procure sempre fundos com taxas mais baixas. Essa taxa independe se você terá rendimentos positivos ou negativos, comprou cota no fundo, vai pagar, normalmente na proporção de 1/252 por dia.
  2. Se quiser resgatar em menos de 30 dias, você irá pagar IOF, aqui tem uma tabela com os valores e explicando melhor o IOF
  3. Dê preferência por fundos diversificados, não é regra, se você confiar em ações de uma determinada empresa, vá fundo. Mas minha opinião é que fundos de papéis diversificados tendem a sofrer menos com as oscilações do mercado, já que a queda de alguns é contrabalanceada com a subida dos outros.

Isso aqui é só um informativo, se tiver realmente interesse, procure uma corretora, se informe, leia os prospectos dos fundos, acompanhe por uns dias a tabela de rentabilidades, que alguns sites fornecem como por ex.: o do banco do brasil. Basicamente o quanto você estiver informado sobre determinado investimento resultará nos frutos a serem colhidos dele.