jul 17

Adicionando um Datasource Postgresql ao Jboss 7.1

Pra quem usa ou usava jboss 6, era bem simples você adicionar um datasource novo, bastava você copiar o default e modificar as configurações, gravando esse novo arquivo na pasta deploy do seu server. Porém no Jboss 7 é um pouco diferente, e, diria eu, um tanto quanto burocrático.

Primeiramente é necessário baixar os drivers necessários de acordo com seu banco.

Em seguida copie para

jboss-as-7.1.1.Final/modules/org/postresql/main/

O jar baixado.

O jar precisa necessariamente estar embaixo da pasta main. Além disso nesta pasta main também tem que estar um arquivo xml : module.xml com o seguinte conteúdo:

 
<module xmlns="urn:jboss:module:1.1" name="org.postgresql">
    <properties>
        <property name="jboss.api" value="private"/>
    </properties>

    <resources>
        <resource-root path="postgresql-X.X-XXX.jdbcN.jar"/>
    </resources>

    <dependencies>
        <module name="javax.api"/>
    </dependencies>
</module>

Agora abra o arquivo jboss-as-7.1.1.Final/standalone/configuration/standalone.xml  e procure pela tag <subsystem xmlns=”urn:jboss:domain:datasources:1.0″>  . Dentro dela deverá ser adicionado o seguinte conteúdo:

<datasources>
    <datasource jta="false" jndi-name="java:/PostgresDS"
        pool-name="postgres-ds" enabled="true" use-ccm="false">
        <connection-url>jdbc:postgresql://localhost:5432/meu_banco
        </connection-url>
        <driver-class>org.postgresql.Driver</driver-class>
        <driver>postgresql</driver>
        <security>
            <user-name>usuario</user-name>
            <password>senha</password>
        </security>
        <validation>
            <validate-on-match>false</validate-on-match>
            <background-validation>false</background-validation>
        </validation>
        <statement>
            <share-prepared-statements>false</share-prepared-statements>
        </statement>
    </datasource>
    <drivers>
        <driver name="postgresql" module="org.postgresql" />
    </drivers>
</datasources>

Agora… Nada mais a ser feito, fora restartar o jboss, ufa né, bem chatinho criar um datasource a partir da versão 7 do jboss, mas é isso aí.

 

 

out 11

Tratar exceção de unique constraint com JPA 2 e Hibernate

Em uma aplicação simples de cadastro, quando se tem campos únicos, como por exemplo cadastro de usuários, onde o nome do usuário não pode se repetir é interessante mostrar para o usuário qual o erro resultante do não cadastramento dos seus dados. No código abaixo eu tenho uma transação que persistirá um objeto do tipo usuário.

em.getTransaction().begin();
em.persist(usuario);
em.getTransaction().commit();

Porém a exceção lançada pelo JPA 2 é apenas PersistenceException, o que não diz muita coisa. Porém ela contém a cadeia de exceções lançadas desde o provider do banco de dados. Logo, uma alternativa para se descobrir qual a causa raiz da exceção é iterar pela causa da exceção, até chegar a BatchUpdateException, que é a exceção que contém uma SQLException como nextException. Esta SQLException é necessária para se extrair o nome da restrição que gerou a exceção.

catch (PersistenceException e) {

			 Throwable lastCause = e;
			 String constraintName =null;
			 while (lastCause != null){
		    	     if(lastCause.toString().startsWith("java.sql.BatchUpdateException")){
		    		     BatchUpdateException bu = (BatchUpdateException) lastCause;
		    		     constraintName = PersistenceUtil.getViolatedConstraintNameExtracter().
                                                      extractConstraintName(bu.getNextException());

		    	     }
		    	  lastCause = lastCause.getCause();

			  }

			   if(constraintName !=null){
		               throw new ConstraintViolationException("Mensagem",
                                     new SQLException(), constraintName);

		          }
        }

Para se extrair o nome da restrição é necessário utilizar o seguinte código.

public static ViolatedConstraintNameExtracter getViolatedConstraintNameExtracter() {

        return EXTRACTER;
   }

	private static ViolatedConstraintNameExtracter EXTRACTER =
           new TemplatedViolatedConstraintNameExtracter() {

	      /**
	       * Extract the name of the violated constraint from the given SQLException.
	       *
	       * @param sqle The exception that was the result of the constraint violation.
	       * @return The extracted constraint name.
	       */
	      public String extractConstraintName(SQLException sqle) {
	         String constraintName = null;

	         int sqlError = Integer.valueOf(JDBCExceptionHelper.extractSqlState(sqle));

	         if(sqlError == 23505){

	            constraintName = extractUsingTemplate("violates unique constraint \"","\"",
                                      sqle.getMessage());
	         }	         

	         return constraintName;
	      }

	   };

Onde ViolatedConstraintNameExtracter é uma interface do pacote org.hibernate.exception e TemplatedViolatedConstraintNameExtracter é a classe abstrata que implementa esta interface.
É necessário implementar o método extractConstraintName(SQLException sqle) herdado da interface.
Nele eu verifico qual o código de erro, utilizando o JDBCExceptionHelper do pacote org.hibernate.exception. No meu caso eu estou utilizando PostgreSQL, e neste endereço: http://www.postgresql.org/docs/8.1/interactive/errcodes-appendix.html temos todos os códigos de erro gerados.
Dependendo do código de erro eu utilizo o método extractUsingTemplate da classe TemplatedViolatedConstraintNameExtracter, passando como parâmetros o padrão da mensagem até o início do nome da restrição, o padrão da mensagem após o nome da restrição e a mensagem da SQLException.

Está um pouco confuso, mas realmente é bem chato tratar essa exceção usando JPA 2, mas basicamente utilizando esses códigos e fazendo as devidas personalizações para a sua aplicação, você conseguirá resolver esse problema.

out 01

Utilizando information_schema postgres

Para aqueles que utilizam o postgres em suas aplicações de pequeno porte, pode não ser muito útil minha dica, porém para aplicações que utilizem centenas de tabelas a alteração em massa dos dados de definição do banco são de fundamental importância na eficiência de um projeto. Vou dar uns exemplos que utilizo no estágio que são de grande valia.

Digamos que você tem nas suas mão um schema com mais de 100 tabelas  sendo que essas tabelas foram criadas todas com letras maiúsculas , o que leva o postgres a aceitar somente as  consultas utilizando aspas ( ” )  envolvendo o nome das tabelas e dos atributos um pé no saco isso . O que fazer então para fazer as consultas só jogando o nome das tabelas? A idéia principal então é alterar o nome das tabelas para letras minúsculas, e também seus campos. Porém são mais de 100 tabelas , o que caso você vá fazer isso através do PGadmin vá levar algumas horas desnecessárias . Então o que fazer? É aí que vem o information_schema para salvar a vida dos dbas de plantão. Para tal façanha faremos um select na tabela information_schema.tables só que da seguinte maneira:

SELECT  ‘ALTER TABLE  nome_do_schema.”‘ || table_name ||'” RENAME TO ‘||LOWER(table_name) ||’;’
FROM information_schema.tables
WHERE table_schema = ‘nome_do_esquema’

Através deste Select vc terá o comando de alteração para todas as tabelas do schema assim só tendo que copiar e colar o resultado para uma nova guia de query do postgres e eliminar as aspas( ” ) que o postgres coloca no início e no final de cada comando( Opa ! perae kct!! Trabalho de corno não!!)  . Bom voltemos um pouquinho então , utilizaremos um programinha editor de texto qualquer, no meu caso eu uso o editplus , onde colo o resultado da query e mando subsituir “ALTER po ALTER e “; por  ; assim poupando-nos do trabalho de corno. Após feito isso colo os comandos  sem as malditas aspas no início e no final de cada linha na tela de Query do pgAdmin e mando executar os comandos. Voi-lá, agora é só esperar o postgres fazer o resto, poupando-lhe um tempo valioso.

Tenho muito mais dicas de como usar o information_schema para facilitar modificações em massa. Mas cada um utilize para o que for preciso, apenas estou aqui para dar o pontapé inicial.